www.bloggerbipolar.blogspot.com

Aviso: EU NÃO SOU BIPOLAR...MAS MEU PAI É.


www.bloggerbipolar.blogspot.com

Um pouco sobre bipolaridade, transtornos de humor, depressão, ansiedade...
tudo, ou nada!

diariodeumbipolar@hotmail.com

#depressão #ansiedade #tdah #bipoloaridade #pânico #distimia #melancholia
_____________________________________________

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Melancholia e Depressão

O filme Melancholia, do diretor Lars  Von Trier, é uma metáfora à depressão. Antes de surgir esse termo, o depressivo era chamado de melancólico. No filme, Melancholia é um planeta que todos pensam que irá passar próximo a Terra. E até então, seria um espetáculo fantástico ver essa passagem.

É em torno da festa de casamento da personagem principal Justine (Kirsten Dunst, oscar de melhor atriz em Cannes), que se dá a primeira parte do filme. Nas primeiras cenas o observador mais crítico vai perceber que ela é depressiva.

Justine sofre com todos os sintomas da doença. Todos a tratam com desconfiança, medo, repulsa ou super proteção. A única a acolher seu comportamento e lhe dar apoio é sua irmã, que foi quem promoveu a festa como um presente. Irresponsabilidade com horários e compromissos, mudanças de humor, sexo compulsivo, inércia e outros sintomas que atrapalham a vida do depressivo; em uma atuação realmente surpreendente da atriz. Seu olhar sempre distante, a cena da banheira onde a irmã tenta fazê-la tomar banho, o fato de enxergar as coisas da cor cinza; dói na alma de quem sabe o que é sofrer assim.

A segunda parte do filme mostra a rotina da casa, e a convivência de Justine, a irmã com o marido e um filho pequeno. Novamente os sintomas depressivos são focados, só que agora  a atenção se divide com a aproximação do planeta Melancholia. Num misto de medo e surpresa, as pessoas vão aguardando a passagem; porém quando o planeta vai se aproximando da terra fenômenos sobrenaturais vão acontecendo. As pessoaas vão sentindo mudanças de comportamento. Falta de ar, fadiga, desespero; ou seja, os mesmo sintomas de uma depressão. 

De repente se descobre que o Melancholia muda sua rota e irá se chocar com a Terra. Em cenas belíssimas o diretor consegue passar o que seria um apocalipse, explorando as mudanças do clima do planeta e do estado de espírito das pessoas. 

Uma curiosidade a parte é saber que o diretor se inspirou na própria doença para escrever o filme. É como em sua visão, a depressão seja um mal que tenha a capacidade de destruir mundos.

Vale muito a pena assistir, porém aos desavisados, não deixa de ser uma obra de Lars Von Trier, ou seja, deve-se ir preparado não para ver um filme, mas uma obra de arte.


Um comentário:

  1. Achei muito interessante, com certeza é um filme que irei assistir.
    xero.

    ResponderExcluir